MCT - PowerPoint PPT Presentation

Loading...

PPT – MCT PowerPoint presentation | free to download - id: 8172bf-NzBkN



Loading


The Adobe Flash plugin is needed to view this content

Get the plugin now

View by Category
About This Presentation
Title:

MCT

Description:

... social MF-MCT: recursos para investimentos estruturantes, com destaque para as tecnologias sociais, no mbito da reforma tribut ria, ... – PowerPoint PPT presentation

Number of Views:106
Avg rating:3.0/5.0
Slides: 44
Provided by: Sergio226
Learn more at: http://www.ianas.org
Category:

less

Write a Comment
User Comments (0)
Transcript and Presenter's Notes

Title: MCT


1
Workshop on Inventing a Better Future A
Strategy for Building Regional Capacities in
Science and Technology Brasília, Brazil July
21-23, 2010
Hernán Chaimovich Professor of Biochemistry
USP(1984) Co-Chair of IANAS Vice-President of the
Brazilian Academy of Sciences General
Superintendent Butantan Foundation (September
2009)
2
Linha do tempo
e da Campanha Nacional de Aperfeiçoamento de
Pessoal de Nível Superior (atual CAPES)
3
2003
ftp//ftp.abc.org.br/Politica_de_Estado_CTI.pdf
4
(No Transcript)
5
(No Transcript)
6
(No Transcript)
7
(No Transcript)
8


9
(No Transcript)
10
(No Transcript)
11
(No Transcript)
12
(No Transcript)
13
(No Transcript)
14
  • Plano de Ação 2007 - 2010
  • Ciência, Tecnologia e Inovação
  • para o
  • Desenvolvimento Nacional

Investir e inovar para sustentar o crescimento
15
Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação
para 2007-2010
Metas 2010
O PLANO
  • prioriza a consolidação do sistema nacional de
    C,TI e a ampliação da inovação nas empresas
  • contém atividades distribuídas em
  • 4 prioridades estratégicas, que abrigam 21 linhas
    de ação, e a abrangência necessária para
    incorporar a extensa gama de atividades em C,TI
    no Brasil
  • Ampla articulação com
  • CASA CIVIL, MPOG, MF
  • MEC, CAPES
  • MDIC, BNDES/ABDI
  • MME, PETROBRAS/CEPEL
  • MS,FIOCRUZ
  • MAPA, EMBRAPA

16
Dispêndio nacional em ciência e tecnologia (CT)
em relação ao produto interno bruto (PIB) por
setor, 2000-2008
17
Dispêndio nacional em ciência e tecnologia (CT)
em valores deflacionados, total e por setor,
2000-2008
18
Dispêndio nacional em pesquisa e desenvolvimento
(PD) em relação ao produto interno bruto (PIB)
por setor, 2000-2008
19
Dispêndio nacional em pesquisa e desenvolvimento
(PD) por setor, em paridade de poder de compra
(PPC) 2000-2008
20
Premissas Básicas
  • Primeira Premissa
  • Existe uma forte correlação entre o grau de
    desenvolvimento de um país e seu esforço em
    C,TI, expresso pelos investimentos em pesquisa e
    desenvolvimento (PD) e pela dimensão de sua
    comunidade de pesquisa

21
Premissas Básicas
  • Segunda Premissa
  • Os países com economias desenvolvidas têm forte
    atividade de pesquisa, desenvolvimento e inovação
    (PDI) nas empresas, financiadas por elas
    próprias e pelo governo

22
Premissas Básicas
  • Terceira Premissa
  • Alguns países mudaram drasticamente seu padrão de
    desenvolvimento econômico através de políticas
    industriais articuladas com as políticas de C,TI

23
Premissas Básicas
Quarta Premissa Existe no Brasil massa crítica
para uma gradual aproximação aos níveis
tecnológicos das economias desenvolvidas somos
um país intermediário, no mundo, em termos de
capacidade produtiva e acadêmica, capazes,
portanto, de superar nosso atraso relativo e de
atingir um patamar que se aproxime ao dos países
desenvolvidos.
24
Política de Estado
Principais atores institucionais
25
Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação
para 2007-2010 PACTI 2007-2010
26
Prioridades Estratégicas
  • 1- EXPANSÃO E CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE
    C,TI Expandir, integrar, modernizar e
    consolidar o Sistema Nacional de Ciência,
    Tecnologia e Inovação
  • 2- PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS
    Intensificar as ações de fomento para a criação
    de um ambiente favorável à inovação nas empresas
    e o fortalecimento da Política Industrial,
    Tecnológica e de Comércio Exterior
  • 3- P,DI EM ÁREAS ESTRATÉGICAS Fortalecer as
    atividades de pesquisa e inovação em áreas
    estratégicas para a soberania do País
  • 4- CT PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL Promover a
  • popularização e o aperfeiçoamento do
    ensino de ciências nas
  • escolas, bem como a difusão de tecnologias
    para a inclusão e o
  • desenvolvimento social

27
Principais linhas de ação em 2007-2010
I- Expansão e Consolidação do Sistema Nacional
de C,TI
  • 1- Consolidação Institucional do Sistema Nacional
    de C,TI
  • 2- Formação de Recursos Humanos para C,TI
  • 3- Infra-estrutura e Fomento da Pesquisa
    Científica e Tecnológica

Meta prioritária I Aumentar o número de doutores
titulados por ano, incrementando o número total
de bolsas para as engenharias e para as áreas
relacionadas à PITCE e aos objetivos estratégicos
nacionais
28
PRODUÇÃO CIENTÍFICA INDEXADA
29
Number of doctorates granted yearly in Brazil
(Source CAPES, Plano Nacional de Pós-graduação,
2005).
30
II- Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas
  • 4- Apoio à Inovação Tecnológica nas Empresas
  • 5- Tecnologia para a Inovação nas Empresas
  • 6- Incentivos à Criação e Consolidação de
  • Empresas Intensivas em Tecnologia


31
II- Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas
Instrumentos FINEP MODERNIT, COOPERA,
PROGEX, etc Instrumentos BNDES
FUNTEC Instrumentos CNPq bolsas RHAE e
DTI Instrumentos CAPES bolsas de
pós-doutorado
32
PATENTS
33
Percentual de pessoas envolvidas em pesquisa e
desenvolvimento (PD), por setor institucional,
2008
34
PERCENTAGEM DE PESQUISADORES NAS EMPRESAS
35
III- P,DI em Áreas Estratégicas
  • 7. Áreas portadoras de futuro Biotecnologia e
    Nanotecnologia
  • 8. Tecnologias da Informação e Comunicação
  • 9. Insumos para a Saúde
  • 10. Biocombustíveis
  • 11. Energia elétrica, hidrogênio e energias
    renováveis
  • 12. Petróleo, gás e carvão mineral
  • 13. Agronegócio
  • 14. Biodiversidade e recursos naturais
  • 15. Amazônia e Semi-Árido
  • 16. Meteorologia e mudanças climáticas
  • 17. Programa Espacial
  • 18. Programa Nuclear
  • 19. Defesa Nacional e Segurança Pública

36
9.1. Fármacos e Medicamentos 9.3. Kits
Diagnósticos 9.2. Produtos Médicos e Biomateriais
9.4. Hemoderivados 9.5. Vacinas
  • Subvenção Econômica - Capital de Risco
  • Estimular a criação de Laboratórios
    Institucionais Multidisciplinares
  • Ampliar a capacidade de diferenciação de
    produtos e de inovação de processos
  • Criar Centros de Desenvolvimento Tecnológico de
    produtos médicos e biomateriais
  • Incentivar a produção nacional de Kits
    Diagnósticos
  • Induzir a criação de novas empresas brasileiras
    para a produção de equipamentos automatizados
    para os ensaisos e a utilização dos kits
    diagnósticos
  • Implementar a fábrica HEMOBRAS
  • Investir na produção de vacinas e
    imunobiológicos priorizados pelo INOVACINA

37
10 - Biocombustíveis
Parceiros MDS, MDA, MAPA, EMBRAPA, ANFAVEA,
SINDEPEÇAS
38
Principais linhas de ação em 2007-2010
IV- CT para o Desenvolvimento Social
20- Popularização da CT e Melhoria do Ensino de
Ciências 21- Tecnologias para o Desenvolvimento
Social
Metas prioritárias IV Realizar a inclusão
digital por meio da implantação de 2.000
telecentros até 2010, especialmente em municípios
com o menor IDH e em comunidades tradicionais
e Implantar 1.200 CVTs (Centros Vocacionais
Tecnológicos) e 1.200 incubadoras de
empresas de tecnologias sociais, em articulação
com o MEC
39
21. Tecnologias para o Desenvolvimento Social
21.1. Implantação e modernização de centros
vocacionais tecnológicos - CVT 21.2.
Programa nacional de inclusão digital 21.3. Apoio
à pesquisa, inovação e extensão tecnológica
para o desenvolvimento social 21.4.
Programa comunitário de tecnologia e
cidadania 21.5. CT para o desenvolvimento
regional com enfoque em
desenvolvimento local APLs 21.6. Apoio PD
aplicados à segurança alimentar e
nutricional 21.7. PD agropecuário e
agroindustrial para inserção social
MF-MCT recursos para investimentos
estruturantes, com destaque para as tecnologias
sociais, no âmbito da reforma tributária, com
ênfase na política de desenvolvimento regional
40
Recursos Instrumentos
  • Poder de Compra
  • Estatais (Petróleo Gás, Espacial, Nuclear e
    Saúde) e Privados (Aeronáutico) Ministérios
    Setoriais, F.F.A.A.
  • Apoio Técnico
  • SIBRATEC - Sistema Brasileiro de Tecnologia
  • Gestão da Inovação e da Propriedade Intelectual
    INPI/MDIC
  • Tecnologia Industrial Básica MDIC (Inmetro)
  • Recursos Humanos/Pós-graduação Sistema
    FINEP/CNPq/CAPES
  • Recursos Humanos/Técnico Sistema S
  • Promoção de exportações APEX

41
Conclusão O PLANO abrange toda a extensa
gama de atividades de CTI no Brasil,
apoiando a formação de recursos humanos, a
pesquisa básica e aplicada prevê
um vasto leque de instrumentos e iniciativas para
incentivar a criação de empresas de
tecnologia, a internalização de atividades
de inovação nas empresas e forte ampliação
dos institutos tecnológicos no apoio
às empresas ? corresponde a um
verdadeiro PAC da inovação nas empresas
elege áreas estratégicas para PD, notadamente
tecnologias da informação e
comunicação, biocombustíveis, agronegócio,
insumos para a saúde e energia nuclear
dá a devida relevância à divulgação de CT,
à melhoria do ensino de ciências e
a atividades para inclusão social com ênfase no
desenvolvimento regional.
42
Conclusões
  • nos próximos anos, a Lei de Inovação e Lei do
    Bem
  • deverão mudar o cenário da inovação no
    Brasil
  • programas de governo aumentaram apoio
  • PNI, ICT-empresa, Juro Zero, BNDES
  • subvenção econômica às atividades de P,DI
  • nas empresas (FNDCT) foi implementada
  • há que se mobilizar o setor privado para ser
    mais
  • dinâmico na promoção do desenvolvimento
  • tecnológico

43
CONCLUSIONS
  • Brazil has developed
  • a STI SYSTEM
  • a competitive academic science base.
  • The country must address important challenges to
    increase its industrial RD sector.
  • Important challenges exist for academia too.
About PowerShow.com