L - PowerPoint PPT Presentation

Loading...

PPT – L PowerPoint presentation | free to download - id: 748be1-YTJkZ



Loading


The Adobe Flash plugin is needed to view this content

Get the plugin now

View by Category
About This Presentation
Title:

L

Description:

Title: INE 6102 Intelig ncia Artificial Author: Mauro Roisenberg Last modified by: Laboratorio Centro Tecnologico Created Date: 3/24/1999 5:53:52 PM – PowerPoint PPT presentation

Number of Views:2
Avg rating:3.0/5.0
Slides: 19
Provided by: Mauro85
Learn more at: http://www.inf.ufsc.br
Category:
Tags: mafalda

less

Write a Comment
User Comments (0)
Transcript and Presenter's Notes

Title: L


1
Lógicas Não Clássicas
  • Jorge Muniz Barreto
  • UFSC-INE
  • 2000

2
Tipos de Lógicas
  • Lógicas Não Monotônicas
  • Lógicas Temporais
  • Lógicas Multivaloradas

3
Lógicas Não Monotônicas
  • Uma Lógica é um objeto formal constituído por uma
    coleção de objetos, ditos axiomas da Lógica e
    Regras de Dedução, também chamadas Regras de
    Inferência.
  • O uso destas Regras de Inferência permite
    construir uma Teoria, constituída pelos Teoremas
    ditos válidos da Lógica.
  • Uma Lógica é dita monotônica quando a adição de
    um novo axioma, nâo muda o valor de validade dos
    Teoremas desta Lógica.

4
Exemplo Não Monotônico (1\3)
  • Mafalda foi assassinada na segunda de carnaval.
    Os possíveis suspeitos são Carlos seu ex-marido,
    Luciano seu atual amante e Helena a mulher de
    Luciano. Todos três tem motivo. Carlos,
    perseguido pelas constantes ações judiciais de
    Mafalda querendo dinheiro que ele não poderia ter
    encontrado no assassinato a solução. Luciano
    havia surpreendido Mafalda beijando um
    desconhecido e com seu sangue açoreano misturado
    ao italiano da mãe poderia ter buscado a
    vendetta''. Helena teria sido movida por
    vingança e desejo de eliminar uma mulher a seus
    olhos peçonhenta.

5
Exemplo Não Monotônico (2\3)
  • Durante o inquérito procurou-se como de costume
    verificar o álibi de cada suspeito. Carlos disse
    que tinha ido ao Rio de Janeiro ver o carnaval,
    encontrou uma mulher no Iate Clube e passou a
    noite com ela e como estava bêbado esquecera de
    perguntar o seu nome. Luciano disse ter ido
    visitar sua família do lado italiano em São Paulo
    tendo enviado vários postais durante o carnaval a
    vários de seus amigos. Helena, em seu último ano
    de medicina estava atendendo emergências no
    hospital no dia do crime. Concluindo, baseado no
    álibi mais fraco Carlos tornou-se o principal
    suspeito.

6
Exemplo Não Monotônico (3\3)
  • Mas chegou a Manchete depois do carnaval! e
    aparece a foto de Carlos, bem visível no baile do
    Iate Clube, com uma morenaça nos ombros! Este
    fato foi suficiente para inocentá-lo e as
    suspeitas recairem sobre Luciano. Os postais
    serviram para confirmar a premeditação, devendo
    ter sido coisa combinada com antecedência com a
    família em São Paulo. Mas logo na sexta apareceu
    uma enfermeira se queixando de que Helena a
    deixara só na emergência por mais de 2 horas, na
    noite do crime, alegando ter tido uma
    indisposição súbita... e ela foi considerada
    culpada.

7
Tipos de Raciocínio Nâo Monotônico
  • Sendo o raciocínio não monotônico intrínsico ao
    raciocínio humano, faz-se importante conhecer os
    vários tipos de monotonicidade que podem
    aparecer. Os principais são
  • 1-Raciocínio por ignorância (default'').
  • 2-Raciocínio auto epistêmico.
  • 3-Convenções de representações.
  • 4-Raciocínio em presença de informação
    inconsistente

8
Raciocínio por ignorância
  • Raciocínio por ignorância é aquele que é feito na
    ausência de uma informação precisa atestando o
    contrário. O provérbio em inglês no news, good
    news'' é um exemplo bem típico. Seja, por exemplo
    que não se leu nos jornais sobre a ocorrência de
    um vulcão em Minas Gerais terlançado as suas
    chamas e ter acabado com uma cidade inteira. Não
    se ouviu também na rádio. Ninguém contou. Pode-se
    supor para todos efeitos que este fato não
    ocorreu. Este é um típico raciocínio por
    ignorância. Uma pequena notícia na rádio poderia
    fazer mudar de opinião caracterizando não
    monotonicidade.

9
Raciocínio Auto-epistêmico
  • Suponha que você está passeando tranquilamente na
    Rue Neuve no centro de Bruxelas com um amigo.
    Você olha as revistas em uma banca, e seu amigo
    lhe bate no ombro dizendo tem um elefante
    andando na rua''. Claramente você bem sabe que é
    uma brincadeira. Como você sabe isso? Ora, seu
    amigo é embrincalhão, a Rue Neuve é uma rua de
    pedestres das mais movimentadas de Bruxelas. Que
    estaria um elefante fazendo lá?

10
Forma do Auto-Epistêmico
  • Moore batizou esta forma de raciocínio de auto
    epistêmico pois envolve raciocínio sobre o
    próprio conhecimento. Um raciocínio auto
    epistêmico segue o seguinte padrão
  • 1-Se a frase A fosse verdade, eu saberia.
  • 2-Eu não sei que A é verdade.
  • 3-Então A não é verdade

11
Auto-epistêmico falhando
  • Um exemplo corrente é o de parentesco
  • 1-Eu conheço todos os meus filhos.
  • 2-Sandra é minha filha. Como eu não conheço nem
    um outro filho posso concluir
  • 3-Pedro não é meu filho.
  • Deveria na realidade ter dito não sei se Pedro
    é meu filho'', isto porque um exame de DNA
    poderia provar o contrário, principalmente se
    quem está fazendo este raciocínio foi namorador
    no passado...

12
Convenção de Apresentação
  • Seja uma pessoa que deseja tomar um avião de
    Florianópolis para Porto Alegre às 10 da manhã.
    Ela vai para o Aeroporto e encontra o horário de
    partida e não vê nenhum avião partindo 'as 10 da
    manhã. Ela conclui que não haverá avião. Esta
    conclusão não se baseia no fato de nunca haver o
    avião 'as 10 para Porto Alegre. Mas na convenção
    de que o horário de todas as partidas está
    anunciado. Tal convenção é econômica e
    conveniente por evitar ocupar o pessoal do
    Serviço de Informação. Além disto, esta Convenção
    é internacional. Entretanto nada impede que
    devido a um número grande de passageiros
    desejando viajar para Porto Alegre, alguma
    companhia de aviação consiga um voo extra
    partindo 'as 10 hs, o qual, será anunciado
    posteriormente.

13
Informação inconsistente
  • Seja o caso de chegar em casa no ano de 1997 no
    final de agosto e em contrar um bilhete na caixa
    de correio dizendo oi! vim te dar um abraço
    pelo teu aniversário, mas estou aqui com filhos
    que estão loucos para ir 'a praia. Passo para lhe
    dar o abraço dia 1 de setembro domingo. Até lá,
    seu amigo Pedro.'' E agora? Dia 1 de setembro de
    1997 é segunda. O bilhete tem informação
    excessiva e contraditória domingo é 1/09''.
    Certamente você acredita na afirmação que seu
    amigo está perto e veio com os filhos. Mas tem
    uma atitude agnóstica em respeito ao dia em que
    virá visitá-lo. Entretanto se você se lembra que
    segunda feira é dia de aula, e que seu amigo deve
    ter voltado para Joinville por causa das
    crianças, você irá esperá-lo no domingo, 31 de
    agosto.

14
Lógica Modal
  • A Lógica modal clássica trata conceitos tais como
    necessidadee possibilidade. Se uma proposição tem
    que ser verdadeira em todas as situações
    consideradas, diz-se que ela é necessária. Se ela
    for falsa para todas as situações ela é
    nessesariamente falsa. Se ela não é nem
    impossível nem necessária ela é contingente e
    finalmente se ela não é impossível ela é
    possível.
  • Estas quatro noções - necessidade,impossibilidade,
    contingência e possibilidade, definem os modos
    básicos nos quais uma proposição pode ser falsa
    ou verdadeira constituindo os principais noções
    da Lógica modal.

15
Lógica Temporal
  • A Lógica temporal é a Lógica onde conectivos
    descrevendo relações temporais são incluídas. Há
    duas principais abordagens para trabalhar em
    lógica temporal considerar um conjunto novo de
    conectivos e dar as tabelas de valores verdades
    para elas ou definir uma variável de tempo nova e
    usar os mesmos conectivos e", ou" e não"
    previamente definidos. As vantagens de ambas
    abordagens são um assunto de debate.

16
Usos da Lógica Temporal Ex
  • Computação paralela
  • Tempo t real para estudo de sincronização d
    eprocessos
  • IA usa-se tempo Bergsoniano, e noção de
    intensidade de intervalo de tempo vivido.
  • Ex hospital e sala de intervenções cirúrgicas.

17
Conectivos temporais
  • Igualdade
  • Começam juntos
  • Acabam juntos
  • é anterior a
  • é posterior a
  • é seguido por
  • segue
  • contém
  • é contido em
  • contém momento simultâneo

18
CHI! deve ser pro prof.
About PowerShow.com