APRESENTA - PowerPoint PPT Presentation

Loading...

PPT – APRESENTA PowerPoint presentation | free to view - id: 6cf98b-ZTIwM



Loading


The Adobe Flash plugin is needed to view this content

Get the plugin now

View by Category
About This Presentation
Title:

APRESENTA

Description:

Title: Slide 1 Author: Evandro Rodrigues da Silva Last modified by: Evandro-PC Created Date: 2/28/2013 3:36:36 PM Document presentation format: Apresenta o na tela ... – PowerPoint PPT presentation

Number of Views:14
Avg rating:3.0/5.0
Slides: 209
Provided by: Evand6
Category:
Tags: apresenta | afro | latino

less

Write a Comment
User Comments (0)
Transcript and Presenter's Notes

Title: APRESENTA


1
(No Transcript)
2
(No Transcript)
3
APRESENTAÇÃO
4
OBJETIVOS E DIRETRIZES
  • Orientações Gerais
  • Finalidade da Catequese
  • Meta da Catequese
  • Conteúdo da Catequese
  • Objetivo da Catequese
  • 1. Catequese e Evangelização
  • 2. Evangelização e Catequese
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • Contextos da Catequese
  • 1. A Pessoa do Catequizando
  • (Catequeses Infantil, Crisma, Adultos,
    Diversidade)
  • 2. A Família
  • 3. A Comunidade
  • 4. A Pessoa do Catequista
  • 4.1. Formação
  • 4.2. Perfil
  • 4.3. Compromisso
  • 4.4. Espiritualidade
  • 5. A Pessoa da Liderança

5
(No Transcript)
6
ITINERÁRIOFORMAÇÃO DE CATEQUISTAS
  • SEMANA CATEQUÉTICA
  • COMISSÃO PARA ANIMAÇÃO BÍBLICO-CATEQUÉTICA
  • FINALIDADE E META DA CATEQUESE
  • OBJETIVO DA CATEQUESE
  • 1. Catequese e Evangelização
  • 2. Evangelização e Catequese
  • HISTÓRIA DA IGREJA
  • CATEQUESE NA HISTÓRIA DA IGREJA
  • DOCUMENTOS DA CATEQUESE
  • CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA

7
ITINERÁRIOFORMAÇÃO DE CATEQUISTAS
  1. ORAÇÃO DO CREDO PROFISSÃO DE FÉ
  2. ORAÇÃO DO PAI NOSSO
  3. ORAÇÃO DA AVE-MARIA
  4. O CATEQUISTA NO MUNDO ATUAL
  5. CATEQUESE PARA OS NOVOS TEMPOS
  6. MANDAMENTOS
  7. SACRAMENTOS
  8. SAGRADA ESCRITURA
  9. LEITURA ORANTE DA BÍBLIA

8
ITINERÁRIOFORMAÇÃO DE CATEQUISTAS
  • PSICOPEDAGOGIA DAS IDADES
  • CONTEXTOS DA CATEQUESE
  • METODOLOGIA DA CATEQUESE
  • (VER-ILUMINAR-AGIR-CELEBRAR-REVER)
  • XIX. A PESSOA DO CATEQUIZANDO
  • (Catequeses Infantil, Crisma, Adultos,
    Diversidade)
  • CATEQUESE E FAMÍLIA
  • CATEQUESE E LITURGIA
  • CATEQUESE E COMUNIDADE

9
ITINERÁRIOFORMAÇÃO DE CATEQUISTAS
  • A PESSOA DO(A) CATEQUISTA
  • Formação
  • Perfil
  • Compromisso
  • Espiritualidade
  • A PESSOA DA LIDERANÇA
  • a) Liderança
  • b) Equipes de Catequese
  • c) Escola Catequética
  • d) Meios de Comunicação Social
  • (Multimidias, Redes Sociais e Nova
    Evangelização)

10
  • Como a abelha que fecunda a flor
  • a Palavra de Deus
  • nos faça germinar
  • frutos de amor.

11
  • Orientações Gerais
  • 01. A Catequese, que consiste na educação
    ordenada e progressiva da fé1, deve ser atividade
    prioritária na América Latina, se quisermos
    conseguir uma renovação profunda da vida cristã
    e, como esta, uma nova civilização que seja
    participação e comunhão de pessoas na Igreja e na
    sociedade2.

1 Cf. Mensagem do Sínodo de Catequese -1977, n.
01. 2 Cf. Documento de Puebla, n. 977.
12
  • Orientações Gerais
  • 02. A Diocese de São José dos Campos entende que
    a Catequese sempre foi considerada na Igreja como
    um dos seus deveres fundamentais, derivado do
    último mandato do Senhor Ressuscitado
    transformar em discípulos todas as gentes e
    ensinar-lhes a observar tudo o que Ele tinha
    prescrito.3

3 Cf. João Paulo II, Carta sobre a Igreja na
Hungria, L'Osservatore Romano,
01/06/1980,
13
  • Orientações Gerais
  • 03. Toda comunidade eclesial é Catequética e
    catequizadora. "A Catequese se faz ao longo de
    toda a caminhada da comunidade. Nela se aprofunda
    a experiência do Deus Vivo que caminha com o seu
    povo e o conduz à Salvação".4 A Palavra de Deus
    se faz viva e atuante na ação de todos os membros
    da comunidade, que catequiza através de sua vida
    e manifestação de sua fé. Esta dimensão recorda à
    Igreja que ela deve ser permanente ouvinte da
    Palavra.5

4 Doc. CNBB, 26, Catequese Renovada, n. 310. 5
Cf. Doc. CNBB 45, Diretrizes Gerais da Ação
Pastoral da Igreja no Brasil, n. 90
14
  • Orientações Gerais
  • 04. "Toda Escritura é inspirada por Deus, é útil
    para instruir, para refutar, para corrigir e para
    educar na justiça, a fim de que o homem de Deus
    seja perfeito, qualificado para toda boa obra" (2
    Tm 3, 16-17). A Catequese, como ação prioritária,
    deve levar o cristão a buscar uma formação
    progressiva e permanente, pessoal e comunitária,
    para uma vivência comprometida e consciente na
    comunidade cristã.6

6 Cf. Projeto Diocesano de Evangelização, 27
15
  • Orientações Gerais
  • 05. Consciente de que o dízimo é expressão de
    partilha e de vida em comunidade, e que os
    recursos obtidos pelo dízimo destinam-se à
    manutenção da comunidade e para a evangelização,
    seja a Catequese Paroquial a sua maior
    incentivadora, promovendo uma experiência do
    dízimo junto às famílias dos catequizandos e da
    comunidade. Portanto, a Comissão para Animação
    Bíblico-Catequética, junto com a Pastoral do
    Dízimo, incentive o dízimo mirim.


16
  • Orientações Gerais
  • 06. Catequese é o "fazer ecoar" (kat-ekhéo) da
    Palavra de Deus. Numa época acostumada aos
    modernos meios de Comunicação Social, somos
    chamados a transmitir e a fazer repercutir aquilo
    que o Mestre falou, com a fidelidade que Ele
    exige de nós. Assim a Igreja se encontra em
    permanente caminho de Catequese.

17
  • Orientações Gerais
  • 07. Para nortear a Catequese, temos pontos
    importantes dos quais podemos destacar
  • a) o princípio de interação fé e vida
  • b) a experiência de fé na comunidade
    catequizadora
  • c) a importância da situação histórica como
    conteúdo da Catequese
  • d) a fidelidade às fontes
  • e) o critério da adaptação de acordo com a
    situação dos catequizandos

18
  • Orientações Gerais
  • f) a Catequese como processo permanente
  • g) a concepção de que Deus se revela através de
    acontecimentos, da História
  • h) um lugar de destaque para a Mesa da Palavra, a
    valorização da Bíblia na Liturgia
  • i) a Bíblia como o grande livro inspirador da
    Catequese.7

7 Cf. Estudos da CNBB, 73. Catequese
para o mundo em mudança, n. 04.
19
  • Finalidade da Catequese
  • 08. Fazer uma catequese renovada nas
    comunidades8
  • a) Catequese como processo de iniciação à vida de
    fé é o deslocamento de uma catequese
    simplesmente doutrinal para um modelo mais
    experiencial, e da catequese das crianças para a
    catequese com adultos. Tanto a dimensão doutrinal
    como a da experiência estão integradas no
    processo de tornar-se discípulo de Jesus. Começa
    a delinear-se um modelo metodológico que leva à
    experiência de Deus que se expressa, sobretudo,
    na vida litúrgica e orante.

8 Cf. Doc. Da CNBB. 84 Diretório Nacional de
Catequese, pág. 27 a 31
20
  • Finalidade da Catequese
  • b) Iniciação à vida de fé em comunidade conforme
    a pedagogia de Deus, Ele se revela no dia-a-dia
    de pessoas que vivem em comunidade. A catequese é
    concebida como uma iniciação à fé em sua dimensão
    pessoal e comunitária.

21
  • Finalidade da Catequese
  • c) Processo permanente de educação da fé se a
    catequese é o momento da iniciação à fé, a
    formação cristã se prolonga pela vida inteira.
    Além das crianças, os adultos começam a merecer
    maior atenção.

22
  • Finalidade da Catequese
  • d) Catequese cristocêntrica conduz ao centro do
    Evangelho (querigma), à conversão, à opção por
    Jesus Cristo que nos revela o Pai, no Espírito
    Santo (dimensão trinitária), e ao seu seguimento.
    A catequese está a serviço da pessoa humana em
    sua situação concreta (dimensão antropológica).
    Por isso ela educa para a vivência do mistério
    daquele que revelou o homem ao homem, o novo
    Adão, Jesus Cristo. É uma catequese cristológica
    com dimensão antropológica, que leva a uma
    antropologia com dimensão cristológica.

23
  • Finalidade da Catequese
  • e) Ministério da Palavra a catequese é
    considerada anúncio da Palavra de Deus, a serviço
    da qual se coloca. O verdadeiro catequista tem a
    convicção (mística) de que é profeta hoje,
    comunicando a Palavra de Deus com seu dinamismo e
    eficácia, na força do Espírito Santo. A Bíblia é
    considerada o livro da fé e, por isso mesmo, o
    texto principal da catequese. O princípio da
    interação fé e vida, aplicado à leitura da
    Bíblia, gera um tipo de leitura vital e orante da
    Palavra de Deus.

24
  • Finalidade da Catequese
  • f) Coerência com a pedagogia de Deus a renovação
    da catequese assume a doutrina sobre a Revelação,
    contida na Dei Verbum, com suas conseqüências. O
    modo de educar a fé segue o mesmo processo e
    pedagogia que Deus usou para revelar-se, isto é
    Revelação progressiva através de palavras e
    acontecimentos, por dentro da vida da comunidade,
    o respeito pela caminhada da comunidade, o amor
    pelos pobres e a conseqüente paciência (em
    sentido bíblico) no processo de educação da fé.

25
  • Finalidade da Catequese
  • g) Catequese transformadora e libertadora a
    mensagem da fé, iluminando a existência humana,
    forma a consciência crítica diante das estruturas
    injustas e leva a uma ação transformadora da
    realidade social. Catequese Renovada introduziu o
    conceito de ações evangélico-transformadoras como
    aprofundamento do tradicional conceito de
    atividades pedagógicas. A catequese tem por
    tarefa introduzir o cristão nestas ações,
    inspiradas pela experiência de Deus na caminhada
    da comunidade elas educam evangelicamente para
    as mudanças do ambiente que nossa fé exige e
    inspira.9

9 Cf. CNBB, TM 129 cf. 129-131 e 194-200. Esse
documento aprofunda o conceito de atividades
evangélico-transformadoras que têm sua origem nas
práticas das CEBs. Cf. DNC 152 e 301-302.
26
  • Finalidade da Catequese
  • h) Catequese inculturada a catequese quer
    valorizar e assumir os valores da cultura, a
    linguagem, os símbolos, a maneira de ser e de
    viver do povo nas suas diversas expressões
    culturais. A inculturação está presente em
    Catequese Renovada, embora o termo não apareça
    explicitamente. Fala-se de interação fé e vida,
    com vistas principalmente a aspectos sociais,
    políticos e econômicos.

27
  • Finalidade da Catequese
  • Isso facilitou posteriormente a compreensão da
    necessidade de assumir e valorizar os elementos
    da cultura, da linguagem, dos símbolos que fazem
    parte da maneira de viver do povo. Expressar o
    Evangelho de forma relevante para a cultura é uma
    exigência metodológica da catequese.

28
  • Finalidade da Catequese
  • Como afirmou João Paulo II Não é a cultura a
    medida do Evangelho, mas Jesus Cristo é a medida
    de toda a cultura e de toda obra humana (Santo
    Domingo, Discurso de abertura, 2 cf. 13, nota
    2). Não se trata só da cultura popular, ligada
    mais ao ambiente rural e às vezes pré-moderno,
    mas também da cultura surgida da modernidade e
    pós-modernidade, cujo lugar privilegiado são os
    grandes espaços urbanos.16

16 Cf. CNBB, TM 129 cf. 129-131 e 194-200. Esse
documento aprofunda o conceito de atividades
evangélico-transformadoras que têm sua origem nas
práticas das CEBs. Cf. DNC 152 e 301-302.
29
  • Finalidade da Catequese
  • i) Interação fé e vida o conteúdo da catequese
    compreende dois elementos que interagem a
    experiência da vida e a formulação da fé. A
    afirmação do princípio de interação é a recusa
    tanto do excesso da teoria desligada da
    realidade, quanto do dualismo que desvaloriza as
    necessidades do aqui e agora, da vida terrena dos
    filhos de Deus.10

17 Cf. Diretório Nacional de Catequese, 84. pág.
27 a 31
30
  • Finalidade da Catequese
  • j) Catequese integrada com as outras pastorais
    (animação bíblica de toda pastoral) como
    dimensão, a catequese está presente em todas as
    pastorais e, como atividade específica,
    articula-se com as demais. A catequese respira a
    vida e a fé da Igreja, celebrada na liturgia,
    expressa na prática pastoral das comunidades e
    nas suas orientações. A catequese se beneficia
    dessa articulação ao mesmo tempo que contribui
    para uma pastoral orgânica ou de conjunto.

31
  • Finalidade da Catequese
  • k) Caminho de espiritualidade (catequista
    mistagogo) um dos temas centrais da formação do
    catequista é sua espiritualidade ela brota da
    vida em Cristo, que se alimenta na ação litúrgica
    e se expressa a partir da própria atividade de
    educador da fé, da mística daquele que está a
    serviço da Palavra de Deus. É uma espiritualidade
    bíblica, litúrgica, cristológica, trinitária,
    eclesial, mariana e encarnada na realidade do
    povo.11

11 Cf. CNBB, FC 157. Após o documento CR, houve
e continua havendo um impulso considerável tanto
para a vocação de catequistas, quanto para a
práxis da mesma catequese em diversas nstâncias..
32
  • Finalidade da Catequese
  • l) Opção preferencial pelos pobres a Igreja
    redescobriu os pobres não apenas como categoria
    sociológica, mas sobretudo teológica
    considera-os destinatários de sua missão e
    evangelizadores. Não se trata de um tema da
    catequese, mas de uma perspectiva geral, que
    orienta concretamente objetivos, sujeitos e
    destinatários, conteúdo, métodos, recursos e a
    própria formação de catequistas.

33
  • Finalidade da Catequese
  • m) Temas e conteúdo (Projeto Alicerce) Catequese
    Renovada descreveu em sua terceira parte os temas
    fundamentais da catequese. Trata-se de um
    conjunto de mensagens a ser adaptado aos
    destinatários quanto à seleção de temas,
    linguagem, metodologia. Deseja-se principalmente
    que esse conteúdo de mensagens seja vivido na
    caminhada da comunidade.

34
  • Finalidade da Catequese
  • O eixo central que permeia a apresentação da
    mensagem é o da comunhão-participação num
    processo comunitário. A quarta parte do documento
    descreve o processo pelo qual interagem o
    conteúdo da fé e a transformação da vida pessoal
    e social.

35
  • Meta da Catequese
  • 09. Jesus Cristo
  • a) "No centro da Catequese, encontra-se
    essencialmente uma Pessoa é a Pessoa de Jesus de
    Nazaré... É esse mesmo Jesus que é o Caminho,
    Verdade e a Vida. A vida cristã consiste em
    seguir Cristo".12 Aprender cada vez mais e
    melhor a pensar como Ele, a julgar como Ele, a
    agir em conformidade com os seus Mandamentos e a
    esperar como Ele nos exorta a esperar".13

12 Catechesi Tradendae, n. 05 13 Catechesi
Tradendae, n. 20
36
  • Meta da Catequese
  • b) "Neste sentido, a finalidade definitiva da
    Catequese é a de fazer com que alguém se ponha,
    não apenas em contato, mas em comunhão, em
    intimidade com Jesus Cristo somente ele pode
    levar ao amor do Pai no Espírito e fazer-nos
    participar da vida da Santíssima Trindade".14

14 Catechesi Trandendae, n. 25
37
  • Conteúdo da Catequese
  • 10. Pedagogia Catequética
  • a) 0 "cristocentrismo" da Catequese não é apenas
    a ideia central ou o princípio unificador dos
    temas a serem estudados e ensinados. Muito mais
    do que isso, a cada catequista e a cada
    catequizando seja proporcionada a experiência de
    que sem Ele nada se pode (Jo 15,5). Essa
    experiência será vital para a catequese em nossa
    Diocese. "A fé não é só adesão intelectual,
    conhecimento da doutrina de Jesus. Ela é opção de
    vida, adesão de toda a pessoa humana a Cristo, a
    Deus e a seu projeto sobre o mundo".15

15 Documento CNBB, 26 Catequese Renovada, n.
84
38
  • Conteúdo da Catequese
  • b) 0 "cristocentrismo" da Catequese não é apenas
    a ideia central ou o princípio unificador dos
    temas a serem estudados e ensinados. Muito mais
    do que isso, a cada catequista e a cada
    catequizando seja proporcionada a experiência de
    que sem Ele nada se pode (Jo 15,5). Essa
    experiência será vital para a catequese em nossa
    Diocese. "A fé não é só adesão intelectual,
    conhecimento da doutrina de Jesus. Ela é opção de
    vida, adesão de toda a pessoa humana a Cristo, a
    Deus e a seu projeto sobre o mundo".16

16 Documento CNBB, 26 Catequese Renovada, n.
84
39
  • Conteúdo da Catequese
  • c) A Diocese de São José dos Campos quer que o
    "cristocentrismo" seja o "caminho" da Catequese.
    Não um "caminho" a mais entre outros, mas "O
    CAMINHO". Tudo terá de estar em íntima relação
    com a Pessoa de Cristo. Desta forma, "a
    Catequese, toda centrada em Cristo, há de lançar
    mão de todos os meios a fim de os catequizandos
    não só encontrarem a Cristo e n'Ele a síntese de
    todas as verdades da fé, mas fazerem experiência
    de sua presença na comunidade e chegarem a viver
    com Ele um autêntico diálogo interpessoal pela
    oração.17

17 Sínodo dos Bispos de 1977, LObservatore
Romano, 13/11/1977
40
  • Conteúdo da Catequese
  • d) Considerando a sugestão dos Delegados
    Sinodais18 aos Novos Tempos mudar a
    mentalidade de uma catequese sacramental para uma
    catequese inspirada na iniciação à Vida Cristã.
    Aqui escutamos o Episcopado da América Latina e
    do Caribe "Ou educamos na fé, colocando as
    pessoas realmente em contato com Jesus Cristo e
    convidando-as para segui-lo, ou não cumpriremos
    nossa missão evangelizadora. Precisamos de um
    processo catequético que inclua o querigma, que é
    a maneira prática de colocar alguém em contato
    com Jesus Cristo e introduzi-lo no discipulado.

18 Documento Conclusivo - Sínodo Diocesano
2008-2010, nº 127
41
  • Conteúdo da Catequese
  • e) Em Aparecida os Bispos afirmaram que "no
    processo de formação de discípulos missionários,
    destacamos cinco aspectos fundamentais que
    aparecem de maneira diversa em cada etapa do
    caminho, mas que se complementam intimamente e se
    alimentam entre si19

19 Documento Conclusivo - Sínodo Diocesano
2008-2010, nº 128
42
  • Conteúdo da Catequese
  • O encontro com Jesus Cristo, que deve ser o fio
    condutor de um processo que culmina na maturidade
    do discípulo e "deve renovar-se constantemente
    pelo testemunho pessoal, pelo anúncio do querigma
    e pela ação missionária da comunidade20

20 Documento Conclusivo - Sínodo Diocesano
2008-2010, nº 128a
43
  • Conteúdo da Catequese
  • A conversão, resposta inicial de quem crê em
    Jesus Cristo e busca segui-lo conscientemente21
  • O discipulado como amadurecimento constante no
    conhecimento, amor seguimento de Jesus Mestre,
    quando também se aprofunda o mistério de sua
    pessoa, de seu exemplo e de sua doutrina, graças
    à catequese permanente e à vida sacramental

21 Documento Conclusivo - Sínodo Diocesano
2008-2010, nº 128b-c
44
  • Conteúdo da Catequese
  • A comunhão, pois "não pode existir vida cristã
    fora da comunidade nas famílias, nas paróquias,
    nas comunidades de vida consagrada, nas
    comunidade de base, nas outras pequenas
    comunidades e movimentos22, tal como acontecia
    entre os primeiros cristãos a comunhão na fé, na
    esperança e no amor de estender-se também aos
    irmãos e irmãs de outras tradições cristãs

22 Documento Conclusivo - Sínodo Diocesano
2008-2010, nº 128d
45
  • Conteúdo da Catequese
  • A missão, que nasce do impulso de compartilhar
    a própria experiência de salvação com outros, a
    plenitude e alegria de ser enviado por Jesus
    Cristo a missão deve acompanhar todo o processo
    de amadurecimento humano e cristão de cada um, de
    acordo com a própria vocação, tendo Maria como
    modelo perfeito do discípulo missionário23.

23 Documento Conclusivo - Sínodo Diocesano
2008-2010, nº 128e
46
  • Conteúdo da Catequese
  • 11. A Catequese deve, sobretudo realçar a Igreja
    como Povo de Deus e como missionária. Ela celebra
    e vive os sacramentos e se compromete com a
    História dos homens, perpetuando os ideais de
    Jesus Cristo. Procurará encarnar o Evangelho na
    realidade concreta de nosso Povo. Não se falará
    de Deus sem falar do homem com quem Deus quis
    fazer aliança.24 Só assim se construirá uma
    sociedade mais cristã e, portanto, mais humana.
    Estamos atentos a que "todos os caminhos da
    Igreja levem ao homem".25.

24 Cf. Doc. CNBB, 26. Catequese Renovada, n.
170. 25 Redemptor Hominis n. 19. Cf. Documento de
Puebla, n. 304.
47
  • Objetivo da Catequese
  • 12. "A eficácia da Catequese dependerá, em
    grande parte, desta sua capacidade de dar
    sentido, o sentido cristão, a tudo aquilo que
    constitui a vida do homem em seu tempo. Homem
    entre os homens, cidadão entre os cidadãos".26 Os
    cristãos serão capazes de transformar suas dores
    e a de seus irmãos em crescimento para uma
    sociedade de participação e de fraternidade.

26 João Paulo II, Homilia em Porto Alegre,
05/07/1980
48
  • Objetivo da Catequese
  • 13. Em unidade com a Igreja no Brasil, queremos
    "Evangelizar com renovado ardor missionário,
    testemunhando Jesus Cristo, em comunhão, à luz da
    evangélica opção preferencial pelos pobres, para
    formar o povo de Deus e participar da construção
    de uma sociedade justa e solidária a serviço da
    vida e da esperança nas diferentes culturas, a
    caminho do Reino Definitivo".27

27 Doc. CNBB, 81. Diretrizes Gerais da Ação
Evangelizadora da Igreja no Brasil, n. 06.
49
  • Objetivo da Catequese
  • 14. Sabemos que a Liturgia é fonte e ápice da
    ação e da força da Igreja.28 A formação litúrgica
    constituirá parte importante da iniciação das
    crianças, adolescentes, jovens e adultos na vida
    da comunidade cristã. As preparações para os
    diversos sacramentos devem passar a ser momentos
    fortes dessa iniciação, superando o caráter
    meramente sacramentalista.29

28 Cf. SC, n. 10 29 Cf. Doc. CNBB, 26. Catequese
Renovada, n. 136
50
  • Objetivo da Catequese
  • 1. Catequese e Evangelização
  • 15. A evangelização é uma realidade rica,
    complexa e dinâmica, que compreende momentos
    essenciais, e diferentes entre si (cf. CT 18
    e 20 DGC 63) o primeiro momento é o anúncio de
    Jesus Cristo (querigma) a catequese, um desses
    momentos essenciais, é o segundo, dando-lhe
    continuidade. Sua finalidade é aprofundar e
    amadurecer a fé, educando o convertido para que
    se incorpore à comunidade cristã.30

30 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 33
51
  • Objetivo da Catequese
  • 16. A catequese sempre supõe a primeira
    evangelização. Por sua vez, à catequese segue-se
    o terceiro momento a ação pastoral para os fiéis
    já iniciados na fé, no seio da comunidade cristã
    (cf. DGC 49), através da formação continuada.
    Catequese e ação pastoral se impregnam do ardor
    missionário, visando à adesão mais plena a Jesus
    Cristo. A atividade da Igreja, de modo especial a
    catequese, traduz sempre a mística missionária
    que animava os primeiros cristãos. 31

31 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 33
52
  • Objetivo da Catequese
  • 17. A catequese exige conversão interior e
    contínuo retorno ao núcleo do Evangelho
    (querigma), ou seja, ao mistério de Jesus Cristo
    em sua Páscoa libertadora, vivida e celebrada
    continuamente na liturgia. Sem isso, ela deixa de
    produzir os frutos desejados. Toda ação da Igreja
    leva ao seguimento mais intenso de Jesus (cf. CR
    64) e ao compromisso com seu projeto missionário.
    32

32 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 33
53
  • Objetivo da Catequese
  • 2. Evangelização e Catequese
  • 18. No início do cristianismo, a catequese
    era o período em que se estruturava a conversão.
    Os já evangelizados eram iniciados no mistério da
    Salvação e em um estilo evangélico de ser
    experiência de vida cristã, ensinamento
    sistematizado, mudança de vida, crescimento na
    comunidade, constância na oração, alegre
    celebração da fé e engajamento missionário. 33

33 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 35
54
  • Objetivo da Catequese
  • 19. Esse longo processo de iniciação, chamado
    catecumenato, se concluía com a imersão no
    mistério pascal através dos três grandes
    sacramentos Batismo, Confirmação e Eucaristia. A
    catequese estava, pois, a serviço da iniciação
    cristã. 34

34 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 35
55
  • Objetivo da Catequese
  • 20. A situação do mundo atual levou a Igreja no
    Vaticano II a propor a restauração do
    catecumenato (cf. SC 64 CD 14 cf. AG 14). O
    Batismo de crianças, que as introduz na vida da
    graça, exige uma continuação, uma iniciação
    vivencial nos mistérios da fé (a pessoa de Jesus,
    a Igreja, a liturgia, os sacramentos) através da
    catequese. 35

35 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 36
56
  • Objetivo da Catequese
  • 21. Esse processo catequético possibilita também
    aos já batizados (adultos, jovens, crianças)
    assumir conscientemente a própria vida cristã.
    Para os não-batizados, a catequese se apresenta
    como processo catecumenal para a vida cristã (cf.
    CR 65 DGC 64). 36

36 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 36
57
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • 22. A Comissão Diocesana para a Animação
    Biblíco-Catequética, que propõe um caminho de
    formação sistemática e progressiva da Fé, para
    que as pessoas possam fazer uma experiência
    pessoal e comunitária de Jesus Cristo, na sua
    Igreja, através da Palavra de Deus e dos
    Sacramentos, é composta em nossa Diocese pela
    Pastoral Catequética e Catequese Crismal.37

37 Cf. Documento Conclusivo Sínodo Diocesano
2008-2010, n. 124
58
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • 23. "A coordenação da Catequese não é um fato
    meramente estratégico, voltado para uma mais
    incisiva eficácia da ação evangelizadora, mas
    possui uma dimensão teológica de fundo. A ação
    evangelizadora deve ser bem coordenada porque ela
    visa à unidade da fé, a qual, por sua vez,
    sustenta todas as ações da Igreja.38

38 Cf. Diretório Geral para a Catequese, n.
272
59
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • 24. A Comissão Diocesana para Animação
    Bíblico-Catequética, sob a responsabilidade do
    Bispo Diocesano39, será eleita por um período de
    três anos e composta por
  • A- Assessor (um padre designado pelo Bispo).
  • B- Coordenador (um padre designado pelo Bispo).
  • C- Equipe Diocesana de Catequeses (Infantil,
    Crisma, Adultos, Diversidade), indicado pela
    Comissão para Animação Bíblico-Catequética e
    aprovadas pelo Bispo
  • D- Representantes de Regiões Pastorais, indicado
    pela Comissão para Animação Bíblico-Catequética e
    aprovadas pelo Bispo
  • E-Equipes Diocesanas Escola Catequética, Projeto
    Alicerce, Formação e Comunicação Social.

39 Cf. Diretório Geral para a Catequese, n. 272
60
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • 25. As funções da Comissão para Animação
    Bíblico-Catequética40
  • A- Articular o contexto das catequeses conforme
    as idades na diocese, região pastoral e
    paróquias
  • B- Conhecer os objetivos e diretrizes catequese e
    atualizá-las conforme as realidades paroquiais e
    regiões pastorais
  • C- Agilizar as ações catequéticas a curto, médio
    e longo prazo, por meio de eventos diocesanos e
    regiões pastorais
  • D- Atualizar os Objetivos e Diretrizes da
    Catequese em unidade com o Projeto Diocesano de
    Evangelização.
  • e) Anunciar e criar outras iniciativas fora dos
    Planos e Diretrizes.

40 Cf. Diretório Geral para a Catequese, n. 272
61
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • 26. Assessor da Comissão para Animação
    Bíblico-Catequética
  • a) Nomeado pelo Bispo Diocesano.
  • b) Acompanha as Catequeses (Infantil, Crisma,
    Adultos, Diversidade), garantindo-lhes a unidade
    de ação e orientando-a com base nos princípios da
    Igreja.
  • c) Atua como elo entre o clero e a Comissão para
    Animação Bíblico-Catequética.
  • d) Informa e orienta a Comissão Diocesana para
    Animação Bíblico-Catequética sobre os Documentos
    da Igreja, assuntos e normas da Diocese
  • e) Orienta a Comissão para Animação
    Bíblico-Catequética na elaboração de temas para
    semanas e formações catequéticas, retiros,
    assembléias, bem como da espiritualidade de seus
    membros.

62
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • 27. Coordenador da Comissão para Animação
    Bíblico-Catequética
  • a) Nomeado pelo Bispo Diocesano.
  • b) Articula as Catequeses (Infantil, Crisma,
    Adultos, Diversidade), garantindo-lhes unidade
    nas regiões pastorais e paróquias
  • c) Informa e orienta a Comissão Diocesana para
    Animação Bíblico-Catequética sobre os Documentos
    da Igreja, assuntos e normas da Diocese, bem a
    realidade das catequeses nas regiões pastorais e
    paróquias
  • d) Representará a Comissão para Animação
    Bíblico-Catequética nos eventos catequéticos da
    CNBB, Regional Sul 1 e Sub-Região de Aparecida.

63
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • 28. Equipe Diocesana das Catequeses (Infantil,
    Crisma, Adultos, Diversidade)
  • a) Indicado pela Comissão Diocesana para Animação
    Bíblico-Catequética e aprovado pelo Bispo
  • b) Elabora, junto com a Comissão para Animação
    Bíblico-Catequética, a pauta das reuniões
  • c) Responsabiliza-se pelas reuniões ordinárias
    das Catequeses (Infantil, Crisma, Adultos,
    Diversidade)
  • d) Orienta a secretaria na elaboração da
    correspondência e na divulgação de eventos das
    catequeses (Infantil, Crisma, Adultos,
    Diversidade).

64
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • 29. Equipe de Secretaria da Comissão para
    Animação Bíblico-Catequética
  • a) Indicado pela Comissão Diocesana para Animação
    Bíblico-Catequética e aprovado pelo Bispo
  • b) Redige a pauta elaborada e participa das
    reuniões da Comissão Diocesana para Animação
    Bíblico-Catequética, das formações, dos retiros,
    assembléias e encontros das lideranças
    paroquiais, anotando os assuntos tratados, para
    transcrição em ata.
  • c) Mantém atualizada a listagem dos membros da
    Comissão Diocesana para Animação
    Bíblico-Catequética, dos párocos e paróquias, das
    lideranças paroquiais das catequeses (Infantil,
    Crisma, Adultos, Diversidade)

65
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • 30. Equipe de Tesouraria da Comissão para
    Animação Bíblico-Catequética
  • a) Indicado pela Comissão Diocesana para Animação
    Bíblico-Catequética e aprovado pelo Bispo
  • b) Participa das reuniões e faz a prestação de
    contas referentes às despesas e receitas,
    mediante apresentação de notas fiscais com CNPJ
    recebidas para reembolso da Mitra Diocesana e/ou
    da Comissão Diocesana para Animação
    Bíblico-Catequética
  • c) Recebe contribuições das paróquias e efetua
    cobranças, através das lideranças paroquiais das
    catequeses (Infantil, Crisma, Adultos,
    Diversidade)
  • d) Mantém o livro-caixa atualizado.

66
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • 31. Representantes das Regiões Pastorais da
    Comissão Diocesana para Animação
    Bíblico-Catequética
  • a) Indicado pela Comissão Diocesana para Animação
    Bíblico-Catequética e aprovado pelo Bispo
  • b) Responsáveis pela articulação das catequeses
    (Infantil, Crisma, Adultos, Diversidade) da
    paróquias de sua região pastoral
  • c) Recebe contribuições das sugestões da
    paróquias e experiências das catequeses
    (Infantil, Crisma, Adultos, Diversidade) em sua
    região pastoral para planejamento da ação
    diocesana
  • d) Forma a Comissão para Animação
    Bíblico-Catequética de sua região pastoral entre
    as lideranças paroquiais.

67
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • 32. Equipe Alicerce
  • a) Indicado pela Comissão Diocesana para Animação
    Bíblico-Catequética e aprovado pelo Bispo
  • b) Para cada uma das catequeses (Infantil,
    Crisma, Adultos, Diversidade) teremos um grupo
    específico com no máximo 03 pessoas, para
    trabalhar as apostilas (impressas ou digitais)
    com especialistas na linguagem a ser adotada
    conforme as idades

68
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • Processo Catequético Contínuo
  • - Catequese Infantil
  • 07 a 10 anos (Crianças)
  • - Catequeses de Fé
  • (Perseverança Crismal)
  • 10 a 13 anos (Adolescentes e Jovens)
  • - Catequese Crismal
  • 13 e 14 anos (Adolescentes)
  • 15 a 17 anos (Jovens)

69
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • Processo Catequético de Acolhimento
  • - Iniciação à Vida Cristã
  • 10 a 12 anos (Adolescentes)
  • 13 a 17 anos (Jovens)
  • 18 anos (Adultos)
  • - Catequese na Diversidade Todas as idades para
    as diversas realidades deste ambiente catequético
    (Rural, Junto à Pessoa com Deficiência)

70
  • Comissão para Animação Bíblico-Catequética
  • c) Atualizar as apostilas impressas para
    catequistas e catequizandos anualmente para a
    Catequese Infantil e semestralmente as apostilas
    digitais para os demais contextos de catequeses
    (Iniciação à Vida Cristã e Diversidade).

71
  • Contextos da Catequese
  • 1. A PESSOA DO(A) CATEQUIZANDO(A)
  • 33. A catequese conforme as idades é uma
    exigência essencial para a comunidade cristã.
    Leva em conta os aspectos tanto antropológicos e
    psicológicos como teológicos, para cada uma das
    idades. É necessário integrar as diversas etapas
    do caminho de fé. Essa integração possibilita uma
    catequese que ajude cada um a crescer na fé, à
    medida que vai crescendo em outras dimensões da
    sua maturidade humana e tendo novos
    questionamentos existenciais. 41

41 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 180
72
  • Contextos da Catequese
  • 34. O adulto que precisa de catequese não
    é só aquele que não a recebeu em outras faixas
    etárias. Todos precisam continuar progredindo na
    fé e no conhecimento do Senhor Sempre mais se
    impõe uma educação permanente da fé que acompanhe
    o ser humano por toda a vida e se integre em seu
    crescimento global (CR 129).42

42 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 180
73
  • Contextos da Catequese
  • 35. Catequese Infantil (Etapa 1) 07 a 10 anos
    CRIANÇAS
  • a- A infância se caracteriza pela descoberta
    inicial do mundo, com uma visão ainda original,
    embora dependente da assistência dos adultos.
    Dela brotam possibilidades para a edificação da
    Igreja e a humanização da sociedade. A criança
    tem o direito ao pleno respeito e à ajuda para
    seu crescimento humano e espiritual. Ela
    necessita de uma catequese familiar, de uma
    iniciação na vida comunitária e para realizar os
    primeiros gestos de solidariedade.43

43 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 197
74
  • Contextos da Catequese
  • b- Essa catequese não poderá ser fragmentada ou
    desencarnada da realidade, mas deverá favorecer a
    experiência com Cristo na realidade em que a
    criança vive. 44
  • c- As crianças de hoje são mais ativas, fazem
    mais perguntas e não se deixam convencer
    simplesmente com o argumento da autoridade de
    quem fala. Com maior acesso aos meios de
    comunicação, podem até ter mais informações sobre
    a realidade do que o catequista, embora não
    disponham da necessária maturidade para analisar
    tudo que recebem.45

44 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 197 45 Cf. Doc. CNBB, 84.
Diretório Nacional de Catequese, n. 198
75
  • Contextos da Catequese
  • d- Por vezes trazem também dramas e mágoas que
    exigem uma conversa diferente, personalizada. O
    catequista precisa conhecer e ouvir cada criança
    para descobrir o melhor modo de cumprir sua
    missão. Também será bastante útil ter
    familiaridade com o universo infantil
    brincadeiras, situação escolar e familiar,
    histórias em quadrinhos e filmes que as crianças
    preferem, literatura infantil de boa qualidade.46

46 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 198
76
  • Contextos da Catequese
  • e- O processo catequético terá em consideração o
    desenvolvimento dos sentidos, a contemplação, a
    confiança, a gratuidade, o dom de si, a
    comunicação com Deus, a alegria da participação.47

47 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 198
77
  • Contextos da Catequese
  • f- A infância constitui o tempo da primeira
    socialização, da educação humana e cristã na
    família, na escola e na comunidade. É preciso
    considerá-la como uma etapa decisiva para o
    futuro da fé, pois nela, através do Batismo e da
    educação familiar, a criança inicia sua iniciação
    cristã.48

48 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 199
78
  • Contextos da Catequese
  • g- No final da segunda infância
    (pré-adolescência), uma fase curta, mas
    efervescente do desenvolvimento humano, ou até
    mais cedo (primeira infância), começa-se em geral
    o processo de iniciação eucarística. É nessa
    idade que se atinge o maior número de
    catequizandos e há o maior envolvimento de
    catequistas por causa da Primeira Comunhão
    Eucarística, que não deve ter caráter conclusivo
    do processo catequético.49

49 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 199
79
  • Contextos da Catequese
  • h- A educação para a oração (pessoal,
    comunitária, litúrgica), a iniciação ao correto
    uso da Sagrada Escritura, o acolhimento dentro da
    comunidade e o despertar da consciência
    missionária são aspectos centrais da formação
    cristã dos pequenos.50

50 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 200
80
  • Contextos da Catequese
  • i- É preciso cuidar da apresentação dos
    conteúdos, de forma adequada à sensibilidade
    infantil. Embora a criança necessite de adaptação
    de linguagem e simplificação de conceitos, é
    importante não semear hoje o problema de amanhã.
    Simplificar com fidelidade e qualidade teológica
    exige boa formação e criatividade.51

51 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 200
81
  • Contextos da Catequese
  • j- É necessário ter cuidado para que, em nome da
    mentalidade infantil, não se apresentem idéias
    teologicamente incorretas que depois serão motivo
    de crise de fé.52

52 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 200
82
  • Contextos da Catequese
  • 36. Catequese Crismal (Etapa 2) 10 a 17 anos
    ADOLESCENTES e JOVENS
  • a- Para uma catequese atenta aos novos tempos no
    qual constatamos no Sínodo Diocesano53 a Comissão
    Diocesana para Animação Bíblico-Catequética
    propõe uma Catequese Crismal54, com os temas do
    Projeto Alicerce Diocesano adaptados a linguagem
    que a idade do catequizando tiver, sejam eles
  • - Adolescentes 10 a 12 anos
  • - Jovens 13 a 17 anos

53 Cf. Documento Conclusivo Sínodo Diocesano
2008-2010, n. 125 a 127 54 Relatório
Conclusivo Reunião Geral do Clero, 2012
83
  • Contextos da Catequese
  • b- Catequese Crismal para Adolescentes (10 a 12
    anos)
  • A adolescência, bem orientada, é um dos
    alicerces para o desenvolvimento de uma
    personalidade equilibrada e segura. Nesse período
    o adolescente cresce na consciência de si mesmo,
    de suas potencialidades, sentimentos,
    dificuldades e das transformações que estão
    acontecendo em sua vida. Isso pode ocasionar
    desajustes emocionais e comportamentais, com os
    quais nem sempre saberá lidar.55

55 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 195
84
  • Contextos da Catequese
  • Atividades catequéticas para os
    adolescentes56
  • ? acolher o adolescente na comunidade e favorecer
    o compromisso real e fiel na mesma
  • ? oferecer oportunidades para que, na busca do
    seu universo, nas suas descobertas, tendências e
    valores, o adolescente se sinta estimulado para a
    vivência cristã

56 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 196
85
  • Contextos da Catequese
  • ? criar grupos de catequese de perseverança
    crismal, coroinhas, adolescência missionária,
    animação, canto, teatro, cinefórum, escotismo,
    acampamentos, missão de férias
  • ? promover atividades artísticas, danças,
    músicas
  • ? realizar passeios, entrevistas, romarias,
    excursões refletir temas próprios da idade,
    buscando auxílio das ciências, sobretudo a
    psicologia

86
  • Contextos da Catequese
  • ? organizar equipes de serviços comunitários,
    tanto eclesiais quanto sociais
  • ? alimentar a consciência de que o crescimento na
    fé requer uma formação continuada rumo à
    maturidade em Cristo (cf. Ef 4,13).

87
  • Contextos da Catequese
  • c- Catequese Crismal para Jovens
    (13 a 17 anos)57
  • A juventude é a fase das grandes decisões. Os
    jovens passam a assumir seu próprio destino e
    suas responsabilidades pessoais e sociais. Buscam
    o verdadeiro significado da vida, a
    solidariedade, o compromisso social e a
    experiência de fé, pois é uma sua característica
    ser altruísta e idealista.

57 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 189
88
  • Contextos da Catequese
  • A juventude costuma enfrentar vários desafios
    como o desencanto e a falta de perspectiva no
    campo profissional experiências negativas na
    família exposição a uma sociedade erotizada que
    lhes dificulta o desenvolvimento sexual
    insatisfação, angústia em muitos casos,
    experimentam marginalização e dependência
    química. Pelo marcante significado e pelos riscos
    a que estão expostos nessa fase da vida, os
    jovens são interlocutores que merecem uma atenção
    especial da catequese.58

58 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 189
89
  • Contextos da Catequese
  • Nessa fase, freqüentemente se notam também o
    afastamento e a desconfiança em relação à Igreja.
    Não é raro se constatar falta de apoio espiritual
    e moral das famílias e a precariedade da
    catequese recebida.
  • Por outro lado, também é crescente o número de
    jovens presentes na ação catequética
    (principalmente na catequese da Confirmação), nos
    eventos eclesiais e sociais, frutos da catequese
    recebida.59

59 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 190
90
  • Contextos da Catequese
  • Nossa responsabilidade com o Evangelho e com os
    jovens inclui cuidar da comunidade cristã para
    que ela seja de fato um testemunho de coerência
    com o projeto de Jesus.
  • No coração da catequese aos jovens está a
    proposta explícita do seguimento de Cristo Se
    queres ser perfeito, vai, vende os teus bens, dá
    o dinheiro aos pobres, e terás um tesouro no céu.
    Depois, vem e segue-me (Mt 19,21).60

60 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 191
91
  • Contextos da Catequese
  • É uma proposta que faz deles interlocutores,
    sujeitos ativos, protagonistas da evangelização e
    construtores de uma nova sociedade para todos. A
    catequese procure adaptar-se aos jovens, sabendo
    traduzir a mensagem de Jesus na linguagem
    deles.61

61 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 191
92
  • Contextos da Catequese
  • A catequese aos jovens será mais proveitosa se
    procurar colocar em prática uma educação da fé
    orientada ao conjunto de problemas que afetam
    suas vidas. Para isso, a catequese integra a
    análise da situação atual, ligando-se às ciências
    humanas, à educação, à colaboração dos leigos e
    dos próprios jovens.62

62 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 193
93
  • Contextos da Catequese
  • Catequese de Fé É urgente propor aos jovens
    uma catequese com itinerários novos, abertos à
    sensibilidade e aos problemas dessa idade que são
    de ordem teológica, ética, histórica ou social.
    Em particular, é preciso uma catequese que
    aprofunde a experiência da participação litúrgica
    na comunidade, que dê importância à educação para
    a verdade e a liberdade segundo o Evangelho, à
    formação da consciência, à educação ao amor, à
    descoberta vocacional, à oração alegre e juvenil
    e ao compromisso cristão na sociedade.63

63 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 193
94
  • Contextos da Catequese
  • Diz João Paulo II que nessa fase será
    preciso uma catequese que denuncie o egoísmo
    apelando para a generosidade, que apresente, sem
    simplismo e sem esquematismos ilusórios, o
    sentido cristão do trabalho, do bem comum, da
    justiça e da caridade, uma catequese da paz entre
    as nações e da dignidade humana, do
    desenvolvimento e da libertação, tais como essas
    coisas são apresentadas nos documentos recentes
    da Igreja (CT 39).64

64 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 193
95
  • Contextos da Catequese
  • A Catequese Crismal com jovens, levando em
    conta o seu protagonismo, realiza-se através
    de65
  • ? participação em encontros, celebrações, manhãs
    de espiritualidades para integrar os jovens com
    as famílias
  • ? pertença e participação nos grupos do setor
    juventude paroquial e pastorais afins

65 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 194
96
  • Contextos da Catequese
  • ? acompanhamento personalizado ao jovem,
    acentuando a direção espiritual ao projeto de
    vida, incluindo a dimensão vocacional
  • ? auxílio à formação da personalidade do jovem,
    levando em conta as diferentes situações sociais,
    econômicas, religiosas e seu processo evolutivo e
    amadurecimento

97
  • Contextos da Catequese
  • ? estímulo e crescimento para a vivência
    comunitária e eucarística
  • ? preparação para os sacramentos da iniciação
    cristã, principalmente para a Confirmação, com
    duração prolongada e como tempo forte para o
    amadurecimento da fé, vinculação com a Igreja
    particular, engajamento na comunidade, envio
    missionário, compromisso social e testemunho
    cristão, dando destaque à esmerada celebração do
    referido sacramento

98
  • Contextos da Catequese
  • ? educação para o amor, a afetividade e a
    sexualidade
  • ? educação para a cidadania e para a consciência
    participativa nas lutas sociais
  • ? preparação para o sacramento do Matrimônio
  • ? orientação vocacional, em sentido amplo, que
    apresente possibilidades de engajamento na
    construção do Reino, dentro e fora da Igreja, e a
    responsabilidade missionária no mundo

99
  • Contextos da Catequese
  • ? educação para a oração pessoal e comunitária
  • ? orientação para o estudo e leitura da Sagrada
    Escritura
  • ? experiência de serviços voluntários.

100
  • Contextos da Catequese
  • 36. Iniciação à Vida Cristã
  • a) Catequese com Adolescentes (11 a 14 anos)
  • Urge para os adolescentes um projeto de
    crescimento na fé, do qual eles mesmos sejam
    protagonistas na descoberta da própria
    personalidade, no conhecimento e encantamento por
    Jesus Cristo, no compromisso com a comunidade e
    na coerência de vida cristã na sociedade.66

66 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 195
101
  • Contextos da Catequese
  • b) Catequese com Jovens (15 a 17 anos)
  • A catequese para jovens leva em consideração as
    diferentes situações religiosas, emocionais e
    morais, entre as quais jovens não batizados,
    batizados que não realizaram um processo
    catequético, nem completaram a iniciação cristã,
    jovens que atravessam crise de fé, ao lado de
    outros, que buscam aprofundar a sua opção de fé e
    esperam ser ajudados. Há ainda jovens tão
    maltratados pela vida, que estão em risco de
    perder a esperança e precisam de um atendimento
    especial.67

67 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 192
102
  • Contextos da Catequese
  • 36. Catequese com Adultos (18 anos)
  • Os adultos são, no sentido mais amplo, os
    interlocutores primeiros da mensagem cristã.2
    Deles depende a formação de novas gerações
    cristãs, através do testemunho da família, no
    mundo social e político, no exercício da
    profissão e na prática de vida e da comunidade.68

68 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 181
103
  • Contextos da Catequese
  • c) Catequese com Adultos (18 anos)
  • Os adultos são, no sentido mais amplo, os
    interlocutores primeiros da mensagem cristã. 68
    Deles depende a formação de novas gerações
    cristãs, através do testemunho da família, no
    mundo social e político, no exercício da
    profissão e na prática de vida e da comunidade.68

68 O tema da catequese com adultos foi amplamente
tratado nos anos 2000-2002 particularmente com a
realização da Segunda Semana Brasileira de
Catequese (de 8 a 12 de outubro de 2001), cujo
tema foi justamente esse Com adultos catequese
adulta. Foram publicados pela Dimensão
Bíblico-Catequética, na série Estudos da CNBB,
três subsídios com muitas reflexões, experiências
e propostas Com adultos catequese adulta (São
Paulo, Paulus, 2001) Estudos da CNBB 80 O
itinerário da fé na iniciação cristã dos
adultos (São Paulo, Paulus, 2001) Estudos da
CNBB 82 Segunda Semana Brasileira de Catequese
(São Paulo, Paulus, 2002) Estudos da CNBB 84.
104
  • Contextos da Catequese
  • É na direção dos adultos que a evangelização e
    a catequese devem orientar seus melhores agentes.
    São os adultos os que assumem mais diretamente,
    na sociedade e na Igreja, as instâncias
    decisórias e mais favorecem ou dificultam a vida
    comunitária, a justiça e a fraternidade.69

69 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 181
105
  • Contextos da Catequese
  • Urge que os adultos façam uma opção mais
    decisiva e coerente pelo Senhor e sua causa,
    ultrapassando a fé individualista, intimista e
    desencarnada. Os adultos, num processo de
    aprofundamento e vivência da fé em comunidade,
    criarão, sem dúvida, fundamentais condições para
    a educação da fé das crianças e jovens, na
    família, na escola, nos meios de comunicação
    social e na própria comunidade eclesial (CR
    130).70

70 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 181
106
  • Contextos da Catequese
  • A catequese com adultos leva em conta as
    experiências vividas, os condicionamentos e os
    desafios que eles encontram, como também suas
    interrogações e necessidades em relação à fé. É
    preciso71
  • ? distinguir entre os adultos que vivem sua fé
    (praticantes), adultos apenas batizados
    (não-praticantes ou afastados) e os adultos não
    batizados

71 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 182
107
  • Contextos da Catequese
  • ? levar em conta seus problemas e experiências,
    capacidades espirituais e culturais
  • ? motivá-los para a vivência da fé em comunidade,
    para que ela seja lugar de acolhida e ajuda
  • ? fazer um projeto orgânico de pastoral com os
    adultos que integre a catequese, a liturgia e os
    serviços da caridade (cf. DGC 174).

108
  • Contextos da Catequese
  • A catequese com adultos tem como missão72
  • ? reforçar a opção pessoal por Jesus Cristo
  • ? promover uma sólida formação dos leigos,
    levando em consideração o amadurecimento da vida
    no Espírito do Cristo Ressuscitado

72 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 183
109
  • Contextos da Catequese
  • ? estimular e educar para a prática da caridade,
    na solidariedade e na transformação da realidade,
    julgando com objetividade e à luz da fé as
    mudanças socioculturais da sociedade
  • ? ajudar a viver a vida da graça, alimentada
    pelos sacramentos

110
  • Contextos da Catequese
  • ? formar cada pessoa para cumprir os deveres do
    próprio estado de vida, buscando a santidade
  • ? dar resposta às dúvidas religiosas e morais de
    hoje
  • ? desenvolver os fundamentos da fé, que permitam
    dar razão da esperança
  • ? educar para viver em comunidade e assumir
    responsabilidades na missão da Igreja, dando
    testemunho cristão na sociedade

111
  • Contextos da Catequese
  • ? educar para o diálogo ecumênico e
    inter-religioso, como instrumentos para a busca
    da unidade cristã e da paz entre os filhos de
    Deus
  • ? ajudar na animação missionária além fronteira.

112
  • Contextos da Catequese
  • É necessário levar em conta as situações e
    circunstâncias que exigem particular forma de
    catequese a catequese de iniciação cristã e o
    catecumenato de adultos (RICA cf. AS 129b) a
    catequese ao Povo de Deus nas missões populares,
    nas romarias nos principais acontecimentos da
    vida (Batismo, primeira Comunhão Eucarística,
    Confirmação, Matrimônio e Exéquias) catequese
    para pessoas que vivem em situações canonicamente
    irregulares ou para pessoas que vêm de outras
    Igrejas e grupos religiosos.73

73 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 184
113
  • Contextos da Catequese
  • 37. Catequese com as Pessoas Idosas
  • É preciso destacar o valor da pessoa idosa como
    um dom de Deus à Igreja e à sociedade, pela sua
    grande experiência de vida. Muitas vezes os
    idosos estão até mais disponíveis para servir à
    comunidade, dentro e fora da Igreja. Descobrir
    talentos e possibilidades nessa situação também é
    função da catequese, como também agir em ação
    conjunta com outras pastorais e movimentos em
    prol da dignidade das pessoas idosas.74

74 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 185
114
  • Contextos da Catequese
  • ? São pessoas que merecem uma catequese com
    adultos adequada. Possuem os mesmos direitos e
    deveres dos demais cristãos. A catequese com
    pessoas idosas deve estar atenta aos aspectos
    particulares de sua situação de fé.

115
  • Contextos da Catequese
  • ? De qualquer maneira, a condição de idoso exige
    uma catequese de esperança, que as leve a viver
    bem essa fase da própria vida e a dar o
    testemunho às novas gerações e assim se
    prepararem para o encontro definitivo com Deus.
    Entre outras coisas, é necessária uma catequese
    que as prepare para a Unção dos Enfermos.

116
  • Contextos da Catequese
  • ? Importa motivar as pessoas e a sociedade para
    que, iluminadas por valores evangélicos, sejam
    construtoras de novos relacionamentos, novas
    estruturas, que assegurem às pessoas idosas
    respeito a seus direitos e valorização integral
    de sua pessoa.

117
  • Contextos da Catequese
  • ? A catequese valoriza e incentiva a redescobrir
    as ricas possibilidades que têm dentro de si e
    assumir sua missão em relação com o mundo e com
    as novas gerações. Para isso é necessário
    favorecer o diálogo entre as diferentes idades na
    família e na comunidade (cf. DGC 188) e
    esclarecer sobre os preconceitos em relação às
    pessoas idosas.

118
  • Contextos da Catequese
  • 38. Catequese na Diversidade
  • Grupos indígenas, afro-brasileiros e outros
    Nossa realidade exige que a catequese leve em
    conta os valores oriundos da cultura e
    religiosidade indígena e afro-brasileira, sem
    ignorar ambigüidades próprias de cada cultura
    (cf. 1Cor 10,21). Ela não pode eliminar, ignorar,
    nem abafar, nem silenciar essa realidade. É
    importante considerar a globalidade e a unidade
    da cultura e da religiosidade dos povos

119
  • Contextos da Catequese
  • e etnias, que se expressam na simbologia,
    mística, ritos, dança, ritmo, cores, linguagem,
    expressão corporal e teologia subjacente às suas
    práticas religiosas. Somente assim se pode fazer
    uma verdadeira inculturação do Evangelho e
    compreender melhor, mediante a convivência e o
    diálogo, as tradições religiosas de cada grupo,
    como verdadeira busca do sagrado. Por isso, para
    uma catequese com esses povos, são necessários
    catequistas provindos dessas culturas.75

75 Cf. Doc. CNBB, 84. Diretório Nacional de
Catequese, n. 201
120
  • Contextos da Catequese
  • Junto as Pessoas com Deficiência É grande, em
    nosso país, a quantidade de pessoas com
    deficiências. Elas têm o mesmo direit
About PowerShow.com