Apresenta - PowerPoint PPT Presentation

Loading...

PPT – Apresenta PowerPoint presentation | free to download - id: 6a234e-ODRhO



Loading


The Adobe Flash plugin is needed to view this content

Get the plugin now

View by Category
About This Presentation
Title:

Apresenta

Description:

Title: Apresenta o do PowerPoint Author: amendes Last modified by: amendes Created Date: 11/21/2002 4:22:49 PM Document presentation format: Apresenta o na tela – PowerPoint PPT presentation

Number of Views:6
Avg rating:3.0/5.0
Date added: 3 March 2020
Slides: 33
Provided by: amendes
Category:

less

Write a Comment
User Comments (0)
Transcript and Presenter's Notes

Title: Apresenta


1
Situação Atual
Grandes Organizações - Governos Grande número
de Sistemas de Compras ( Automatizados ou
Manuais) Num mesmo setor Para um mesmo
fornecedor
Dificuldades Compras ineficientes Processo
caro Materiais comprados mais caros
2
Problema Básico
É impossível substituir de uma vez todos os
sistemas Caro, difícil, demorado, alto risco
Solução encontrada Criar uma camada auxiliar
de informação que permita que os dados sejam
integrados a partir dos vários sistemas e fontes
EAI Integração de Aplicações Corporativas
3
Integração Corporativa de Aplicações EAI
(
Enterprise Application Integration ) Processo
para criar uma infraestrutura integrada, capaz de
interligar diferentes sistemas, aplicações e
fontes de dados através de toda a organização e
seu meio ambiente
Estágios de Integração Metodologias de
Integração Produtos de Integração
4
Níveis ( estágios ) de Integração Integração
Ponto a Ponto Integração Estrutural Integração
por Processos Integração Estendida Metodologias (
estratégias ) de Integração Interface Comum aos
Usuários Integração da Base de Dados Aplicações
Compostas ( Funcional ) Processos
Multi-Passos Produtos de integração
Middleware Servidores de Aplicação Intermediários
de informação ( Integration Broker )
5
Modelo de Maturidade de Integração de Aplicações
( AMS )
Investimentos crescentes nas TI Uso de
ferramentas mais avançadas Necessidade de
reengenharia dos processos de negócios
Pré-Integração Sistemas isolados com poucas
interfaces entre si Reentrada e sincronização
manual de dados entre as aplicações
NIVEL 4 Integração Estendida
NIVEL 3 Integração por Processos
NIVEL 2 Integração Estrutural
NIVEL 1 Integração Ponto a Ponto
6
NIVEL 1 Integração Ponto a Ponto
  • Interfaces ponto a ponto construídas para cada
    caso, usando APIs ou ferramentas de
    sincronização de dados
  • Uso de ferramentas middleware orientadas para
    mensagens ( MOM )
  • Uso de sistemas com acoplamento fraco
  • Intercâmbio de informação normalmente automática,
    com pouca reentrada manual de dados

Estabelecimento de uma infraestrutura básica de
intercâmbio de dados, na qual não é agregada
nenhuma lógica de negócios ( esta é codificada
dentro das aplicações individuais )
7
NIVEL 2 Integração Estrutural
As regras de negócio para interação entre as
aplicações são integradas num framework
estruturado
Uso de ferramentas de middleware mais avançadas,
para padronizar e controlar a troca de informação
entre as aplicações Normalmente existente ao par
de modelo de dados global
8
NIVEL 3 Integração por Processos
Criação de uma camada de Modelo de Processos de
Negócio, comum a toda a organização
A organização deixa de compartilhar informação
entre as aplicações, para administrar o fluxo de
informação entre as mesmas Uso de sistemas de
Gerência de Processos de Negócio - BPMS
9
NIVEL 4 Integração Estendida
Os clientes, fornecedores e parceiros participam
de forma direta e interagem com as operações
internas da organização, através da Internet
Nível de uma organização sem fronteiras rápida,
flexível e capaz de acompanhar a dinâmica do
mercado Uso de tecnologias de integração mais
avançadas que permitem administrar e compartilhar
os acervos de conhecimento
10
Componentes Básicos da Arquitetura de uma
Aplicação de software
11
Número de Camadas de uma Aplicação
12
  • Sistemas de uma única camada
  • Todos os componentes são agregados num único todo
  • Comum na maioria dos sistemas legados
  • Tudo é feito caso a caso
  • Tudo é rigidamente ligado
  • Para se mudar algo numa camada tem-se que mudar
    todas as três camadas

13
Sistemas Cliente Servidor de Duas Camadas Dois
dos componentes são agregados ( Apresentação
Regras de Negócios ) Base de Dados
Ou Apresentação ( Regras de Negócios Base
de Dados )
Thin Client Permite usar Interfaces Gráficas do
Usuário diferentes para um mesmo sistema ( BD e
regras de negócio )
Fat client
14
Sistemas com Arquitetura de Três Camadas Separa
os três componentes, criando a maior
independência possível Usada nas aplicações mais
modernas
15
Sistemas com Arquitetura de Múltiplas
Camadas Componentes Regras de Negócios ou Base
de Dados são divididos em mais de um objeto
distribuído Tendência de ser utilizado nos
sistemas mais modernos
16
  • Estratégias para Integração de Aplicações
  • Interface Comum aos Usuários
  • Integração da Base de Dados
  • Aplicações Compostas
  • Processos Multi-Passos

17
(No Transcript)
18
Estratégias para Integração de Aplicações Interfac
e Comum aos Usuários
  • Aplicações integradas na camada de Apresentação,
    provendo interfaces do usuário comuns
  • Comum na Internet
  • Muitas vezes o usuário tem que entrar duas vezes
    o mesmo dado, porque as demais camadas não estão
    integradas
  • Vantagens técnicas e ferramentas disponíveis
    estão testadas e maduras
  • Desvantagens a responsabilidade da integração é
    por conta do usuário ineficiente e causa de erros

19
Estratégias para Integração de Aplicações Integraç
ão da Base de Dados
Com utilização de ferramentas sofisticadas para
manipulação da base de dados, para mover os dados
de um BD para outro. Vantagens No caso de
sistemas legados não há necessidade de se alterar
as demais camadas, o que pode acarretar enorme
economia. É uma técnica testada quando se usa
data warehouses ou federated databases Desvantagen
s Pode criar dados errados, pois desconhece a
camada de regras de negócio, que pode conter
regras de integridade e consistência de
dados. Alguns fornecedores de sistemas deixam de
dar suporte se é utilizada esta estratégia
20
Estratégias para Integração de Aplicações Aplicaç
ões Compostas
Envolve o grande uso de aplicações corporativas,
por exemplo ERP que abranja 50 dos processos da
organização. Todas as outras aplicações, internas
ou externas, devem se conformar com os padrões
dessa aplicação central e servir sua base de
dado Os fornecedores desses tipos de sistemas de
informação corporativa estão aprimorando de forma
crescente seus produtos para exercer esta
função, inclusive no ambiente Internet.
21
Estratégias para Integração de Aplicações Processo
s Multi-Passos
Usa uma camada adicional de regras de negócio (
processos ) para integrar as diversas
aplicações Essa nova camada Descreve como as
diferentes aplicações interagem e se integram
Gerencia eventos ou transações num processo
multi-passo controlado É a base de novos produtos
lançados nos últimos anos Monitores de
transação Message brokers Gerenciadores de
Processos de Negócios
22
Estratégias para Integração de Aplicações X Níveis
de Maturidade de Integração de Aplicações
Qual é a melhor estratégia para o caso específico
de cada organização
23
Heterogeneidade das Aplicações Complexidade das
Aplicações Aplicações de e-comércio entre empresas
Middleware
Arquitetura Cliente - Servidor
Arquitetura Multi - Camadas
24
Middleware Software que conecta aplicações,
permitindo que as mesmas troquem dados
Tipos
  • Servidores de Aplicação
  • Intermediários de Aplicação ( Application
    Brokers )

Legacyware Acesso a Dados ETL Extract Transform
and Load Data Federation Orientados a
Mensagens Objetos Businessware
25
Servidores de Aplicação
Existem a mais de 25 anos , eram chamados de
monitores de TP ( Transaction Processing
Monitor, como o CICS da IBM ) Permitem que vários
usuários rodem a mesma aplicação Provem ativação
de aplicações, multi-encadeamento de aplicações e
multiplexação de conexões Incluem módulos de
segurança com autenticação, login e controle de
acesso Podem incluir suporte automático a
compartilhamento de carga entre várias máquinas
Hoje permitem apoio a integração de aplicações
pelo método funcional, onde a lógica de negócios
é escrita de forma a integrar objetos e
componentes, colocando-as à disposição do seu
usuário na forma de serviços Podem ser
considerados plataformas de desenvolvimento para
integração
WebSphere IBM Cold Fusion - Allaire
26
Intermediários de Aplicação Application
Brokers Integration Brokers Message Brokers
Mecanismo para conectar aplicações, reduzindo o
número de ligações entre as interfaces ( de
n(n-1) para n1, onde n é o número de interfaces )
Legacyware Feitos pelo próprio desenvolvedor da
aplicação
Inicialmente os desenvolvedores de sistemas
usavam a abordagem de integração baseada nos
dados recorte de telas ( scraping ), consultas
SQL, para acessar um certo dado e copiá-lo para
outro sistema Criou-se assim o chamado espagueti
de integração ( integração ponto a ponto ) Com o
desenvolvimento do mercado de Intermediários de
Integração esse espagueti ficou mais administrável
MQSeries Integrator ou Workflow
IBM BusinessWare - Vitria
27
Intermediários de Aplicação Acesso a Dados
Já são produtos de mercado desenvolvido por
terceiros Ligam uma aplicação a um tipo
particular de plataforma de banco de dados Os
dados devem ser transformados da representação
utilizada pelo sistema fonte para a representação
usada pelo sistema destino
Sistemas ETL Extract, Transform,
Load Integração de dados históricos ( armazém de
dados ) Informatica, Ascential
Sistemas Federação de Dados Integração por
demanda, dados em operação no momento da
transação ( dinâmica )
Cohera, Peoplesoft
28
Intermediários de Aplicação Orientados a
Mensagens - MOM
Produto antigo do mercado Dados duma aplicação
passam para outra aplicação num formato duma
mensagem ( como num e-mail são formadas filas
que outra aplicação pode acessar quando
necessário ) Integração assíncrona de
dados Normalmente usada para intercâmbio de dados
num só sentido e com poucas operações realizada
com os dados, em situações onde o tempo não é
crítico
MQSeries IBM MSMQ - Microsoft
29
Intermediários de Aplicação Objetos Object
Monitors ( TP Monitor ) Object Request Brokers -
ORB
Parte essencial de uma Arquitetura baseada em
componentes Faz a mediação entre as aplicações e
os serviços de rede ( segurança, monitoramento de
desempenho, impressão,..) Permite a criação de
serviços e aplicações inter-operacionais ( que se
ligam a outros serviços e aplicações )
Arquiteturas disponíveis Corba- Object Management
Group OMG Enterprise JavaBeans ( EJB )
Sun Component Object Model ( COM )-Microsoft
30
Intermediários de Aplicação Businessware ( EAI )
Middleware mais evoluído Tem mecanismo para
transformação e transporte de dados comuns aos
outros tipos de produto Diferencia dos demais
produtos por dar suporte para regras de negócios
e processos de negócio O usuário define os seus
processos de negócio, com suas regras
próprias Produtos mais recentes incluem suporte
em XML Usuários compram o módulo central e as
interfaces específicas que necessitam, dependendo
do produto de ERP e banco de dados que
utiliza Fornecedores oferecem também serviço de
programação para integração aos sistemas legados
existentes Em princípio as empresas encontram
pronto 80 do que precisam e 20 deve ser
desenvolvido Normalmente utilizado por
organizações grandes que dispõem de muitas
aplicações
Businessware Vitria ActiveEnterprise Tibco
Software
31
Permite a configuração das comunicações entre
diversas aplicações, permitindo a automação (
replicação ) dos processos de negócios
Define as regras de negócios que são utilizadas
para realizar as tarefas nas camadas abaixo
Interpreta e transforma os diferentes tipos de
dados de forma que possam ser usados por
diferentes aplicações
Trata o roteamento de mensagens e garante a
passagem de mensagens entre as aplicações
Serviço de mensagens Transformação de dados
Adaptadores para produtos do mercado ( entrada
/ saída )
32
(No Transcript)
About PowerShow.com