Imagine e Shapari - Softwares gr - PowerPoint PPT Presentation

Loading...

PPT – Imagine e Shapari - Softwares gr PowerPoint presentation | free to download - id: 719705-OWE4M



Loading


The Adobe Flash plugin is needed to view this content

Get the plugin now

View by Category
About This Presentation
Title:

Imagine e Shapari - Softwares gr

Description:

Imagine e Shapari - Softwares gr ficos no Ensino e Aprendizagem de Matem tica Melissa Meier Susana Seidel Marcus Vinicius de Azevedo Basso Instituto de Matem tica ... – PowerPoint PPT presentation

Number of Views:36
Avg rating:3.0/5.0
Slides: 19
Provided by: Age113
Learn more at: http://www.cinted.ufrgs.br
Category:

less

Write a Comment
User Comments (0)
Transcript and Presenter's Notes

Title: Imagine e Shapari - Softwares gr


1
Imagine e Shapari - Softwares gráficos no Ensino
eAprendizagem de Matemática
  • Melissa Meier
  • Susana Seidel
  • Marcus Vinicius de Azevedo Basso
  • Instituto de Matemática UFRGS

V Ciclo de Palestras Inovações em Tecnologia na
Educação Processos e Produtos Porto Alegre -
Maio de 2005
2
Importância dos Softwares
  • Sabemos que nem todas as aulas podem ser dadas
    usando computadores e softwares, mas acreditamos
    que alguns conceitos podem ser melhor trabalhados
    e estudados com a ajuda da tecnologia.
  • A tecnologia, se não utilizada como reprodução
    digital dos procedimentos tradicionais adotadas
    em sala de aula, pode auxiliar no processo de
    construção do conhecimento e proporcionar meios
    para que o aluno se prepare para a sociedade
    tecnológica.

3
Uso de Tecnologias na Educação
  • Devemos ressaltar que alguns softwares apenas
    repetem o modelo de aula tradicional, mas no
    computador, não sendo um instrumento de
    aprendizagem, mas sim um meio de rever conceitos
    já estudados na sala de aula. Como diz Gravina e
    Santarosa
  • A informática por si só não garante esta
    mudança, e muitas vezes se pode ser enganado pelo
    visual atrativo dos recursos tecnológicos que são
    oferecidos, mas os quais simplesmente reforçam as
    mesmas características do modelo de escola que
    privilegia a transmissão do conhecimento.

4
Professor Orientador e Desafiador
  • Apenas colocar os alunos em contato com o
    software sem alguma questão, sem algum problema
    para resolver não é desafiador, não gera
    interesse nos alunos. Como diz Richards (1991)
  • É necessário que o professor de matemática
    organize um trabalho estruturado através de
    atividades que propiciem o desenvolvimento de
    exploração informal e investigação reflexiva e
    que não privem os alunos nas suas iniciativas e
    controle da situação. O professor deve projetar
    desafios que estimulem o questionamento, a
    colocação de problemas e a busca de solução. Os
    alunos não se tornam ativos aprendizes por acaso,
    mas por desafios projetados e estruturados, que
    visem a exploração e investigação.
  • Assim, o uso de computadores na educação pode ser
    muito positivo, quando é usado não apenas como
    acessório, mas sim como instrumento para o ensino
    e aprendizagem.

5
Seleção dos Programas
  • Cada software tem suas potencialidades, no que se
    refere aos conceitos matemáticos que podem ser
    abordados. Cabe ao professor pesquisar os
    softwares que melhor possibilitam o estudo de
    certos conceitos matemáticos.
  • Neste trabalho, vamos mostrar as possibilidades
    de trabalho com o software Imagine e Shapari os
    dois são softwares gráficos, muito utilizados
    para estudar conceitos de Geometria.

6
Shapari
  • O Shapari é um software através do qual podemos
    selecionar formas geométricas no plano e
    manipulá-las, seja através de transformações que
    já estão prontas no software, seja através de
    novas transformações que podem ser criadas
    utilizando-se matrizes quadradas 2x2. As
    transformações mais simples são do tipo
    translação, compressão, reflexão e cisalhamento,
    e é a aplicação simultânea destas transformações
    que resulta em diferentes efeitos artísticos.
    Através de um processo recursivo com essas
    transformações é que podemos construir Fractais
    nesse software.

7
Atividades com Shapari
  • No primeiro momento, podemos pedir que os alunos
    apliquem apenas as transformações do software
    para modificar uma figura.
  • Com essa atividade estaremos trabalhando os
    seguintes conceitos formas geométricas (já que o
    aluno deve escolher uma forma na qual aplicar a
    transformação), transformações geométricas,
    ângulos (nas rotações), frações (ao trabalhar com
    reduções e ampliações com fator fracionário). Ou
    seja, numa simples atividade vários conceitos
    podem ser explorados e até revistos, no caso de
    algum deles já ter sido explorado formalmente na
    sala de aula.

8
Atividades com Shapari
  • Construir uma imagem do dia a dia ou repetir uma
    construção que o professor fez. Essas atividades
    abordam os conceitos já citados e são desafios
    aos alunos, além de trabalhar com a criatividade
    deles. É possível construir Fractais também para
    desafiá-los.

9
Construindo Transformações
  • Uma característica interessante desse software é
    a possibilidade de criar transformações próprias.
    Assim, além daquelas que estão no programa, o
    aluno pode criar uma segundo o seu interesse, que
    faça duas modificações ao mesmo tempo, por
    exemplo. Os alunos podem criar essas
    transformações de duas maneiras trabalhando com
    pares ordenados no plano cartesiano e movendo-os
    para onde deseja, ou utilizando matrizes 2x2.

10
Criação de Transformações
11
Imagine
  • O Imagine tem por base o ensino centrado no
    aluno, o desenvolvimento de estratégias de
    raciocínio e a conscientização do processo de
    aprendizagem.
  • Além de ser uma linguagem de programação é uma
    ferramenta que possibilita ao aluno ser autor de
    seus projetos e utilize a análise das tentativas
    e dos erros no processo de construção do
    entendimento de como as coisas funcionam.

12
Linguagem de programação Logo
  • Desenvolvida na década de 60 por Seymour Papert
    no MIT.
  • O sistema LOGO permite usarmos uma metodologia
    baseada na pedagogia de projetos, levando o
    sujeito a perceber a diferença entre saber
    alguma coisa (ler) e ser capaz de fazer (criar)
    alguma coisa (escrever)
  • Linguagem do cotidiano da criança, sendo também
    fácil a criação de novos termos ou procedimentos.

13
Comandos
  • Modo Imediato
  • O aluno programa e visualiza cada passo dado
    pela tartaruga

14
Atividades com Imagine
  • Escrever o próprio nome no modo imediato.
  • Relatório da Aula Hoje nos aprendemos a usar o
    Imagine, gostei muito.Agora vou relatar o que
    aprendi e descobri Eu aprendi a movimentar a
    tartaruga com os ângulos, na verdade eu aprendi
    os ângulos e descobri como movimentar a tartaruga
    a partir dos ângulos que aprendemos .Abaixo vou
    citar uns tipos de ângulos.

15
Conceitos matemáticos trabalhados nessa
atividade
  • Noções de sistema de coordenadas
  • Noções de rotação e translação de elementos
  • Multiplicidade biunívoca da relações (relaciona
    os objetos segundo três relações ao mesmo tempo
    esquerda x direita, frente x trás e em cima x
    embaixo)
  • Ângulos
  • Proporcionalidade (relaciona a medida entre os
    objetos, buscando proporção entre eles).

16
Comandos
  • Modo de Programação
  • O aluno programa todos os passos da tartaruga
    sem visualizar. Faz isso através de uma hipótese.
    Dá os comandos e imagina para onde ela esta indo.

17
Segunda Atividade
  • Escreva, novamente, seu nome com a tartaruga mas
    desta vez usando o recurso de programação.
  • Relatório da Aula Aprendemos a fazer a
    tartaruga fazer tudo sozinha não fiquei com
    duvidas mas só demorou um pouco para fazer as
    coisas.

18
Conceitos matemáticos trabalhados nesta atividade
  • Noções de sistema de coordenadas
  • Noções de rotação e translação de elementos
  • Multiplicidade biunívoca da relações (relaciona
    os objetos segundo três relações ao mesmo tempo
    esquerda x direita, frente x trás e em cima x
    embaixo)
  • Ângulos
  • Proporcionalidade (relaciona a medida entre os
    objetos, buscando proporção entre eles)
  • Transformações Geométricas (simetria dos
    objetos)
  • Semelhanças de triângulos e suas propriedades
  • Reciprocidade (utiliza ferramentas diferentes
    buscando produzir o mesmo resultado)
  • Reversibilidade (faz e desfaz operações com
    flexibilidade de raciocínio)

19
Conclusão
  • O que fundamenta a proposta de aprendizagem, que
    utiliza o computador como objeto para pensar, é
    o fato de que as coisas são aprendidas através da
    exploração, da busca, da investigação.
  • Procuramos, com esse trabalho, apresentar algumas
    possibilidades de trabalho com esses softwares e
    enfatizamos que existem outras atividades
    possíveis.
  • É necessária a realização de pesquisas aliadas a
    dedicação por parte do professor para encontrar
    os melhores métodos de utilização desses
    softwares com seus alunos.

20
Bibliografia
  • FAGUNDES, Léa da Cruz. Aprendizes do futuro as
    inovações começaram. Coleção Informática para a
    Mudança na Educação. MEC/ SEED/ ProInfo, 1999.
  • GRAVINA, Maria Alice SANTAROSA, Lucila Maria. A
    Aprendizagem da Matemática em Ambientes
    Informatizados. IV Congresso RIBIE, Brasília,
    1998.
  • RICHARDS, J. Mathematical Discussion, em E. von
    Glaserfeld (ed) Radical construtivism in
    Mathematical Education. Dordrecht, The
    Nederlands Kluwer. 1991.
  • PIAGET, Jean. Aprendizagem e Conhecimento, em
    Piaget, P. Gréco, P., Aprendizagem e
    Conhecimento, Freitas Bastos, Rio de Janeiro,
    1974.
  • Léa da Cruz Fagundes in Nova Escola On-line ,
    edição número 172, maio de 2004, Podemos vencer
    a exclusão digital.
  • BECHER, Fernando. A origem do conhecimento e a
    aprendizagem escolar. Porto Alegre, ARTMED, 2003.
  • BASSO, Marcus. V. A, Espaços de Aprendizagem em
    Rede novas orientações na formação de
    Professores de Matemática. Tese de Doutorado
    PGIE-UFRGS, 2003.
  • PETRY, Paulo. In RIBEIRO, José Geraldo da C. G.,
    A Construção Coletiva do Conhecimento em
    Ambientes de Aprendizagem LOGO. UFAL. Núcleo de
    Informática na Educação Superior, 1992.

21
Imagine e Shapari - Softwares gráficos no Ensino
eAprendizagem de Matemática
  • Melissa Meier - melissameier3103_at_yahoo.com.br
  • Susana Seidel - susanaseidel_at_yahoo.com.br
  • Marcus Vinicius de Azevedo Basso -
    mvbasso_at_terra.com.br
  • Instituto de Matemática UFRGS

V Ciclo de Palestras Inovações em Tecnologia na
Educação Processos e Produtos Porto Alegre -
Maio de 2005
About PowerShow.com